Tempo indócil

Atravessando a porta,
Vestido de adeus,
Um terno cansado,
Da longa vida de uso solitário,
Em tempos,
Sem gentileza nos braços,
Sentado à vista,
De toda essa burocracia cega,
Servindo comida fria,
Muito embora, a boca aberta,
É sem jeito de matar a fome honesta,
Que curva, mas não dobra,
Todavia, palavra por dizer,
Havia silêncio,
Na displicência ingênua,
Da tarde soprando lá fora,
 
Folhas,
Farfalhando falar,
Para não ser entendido,
Ao vento,
Da impaciência do Verão,
Derrubando,
Cada uma delas ao chão,
“Em breve será Outono” —
Pensei comigo —
E o texto vencido jaz,
Sobre a palma do chão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s